quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Amor Especial



"O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis...". (Fernando Pessoa)


Essa semana tive a oportunidade de ver uma cena que muito me tocou. Estava no metrô indo trabalhar e como de costume, estava de cabeça baixa lendo, quando ao parar na estação seguinte entra no vagão onde eu estava, uma senhora empurrando uma cadeira de rodas com uma criança especial. O som que aquela criança emitia era assustador, tanto que quando a mãe parou a cadeira junto a uma das crianças que estava no vagão, ela saiu correndo com os olhos arregalados e foi sentar-se do outro lado próximo a babá que a conduzia com seus irmãozinhos.


Fiquei perplexa com essa cena por várias razões. A primeira, foi a reação da criança. Lógico que para ela era algo temível, talvez nunca tenha tido um contato com uma criança especial, então em sua visão infantil não era “normal” alguém ser daquele jeito e por isso, a sua maneira de se “livrar” do desconhecido foi sair correndo depressa. A mãe da criança especial (um menino) ao perceber a atitude da menina reagiu de maneira amigável e perguntou se ela estava com medo. Acredito que para ela isso já virou rotina, as crianças temerem a aproximação com seu filho.


Depois entendi que todo aquele barulho que o garoto fazia, era manifestação de alegria por entrar num metrô refrigerado, como chamamos aqui em Recife, o famoso “geladinho”. A temperatura estava ótima e a mãe comentou que ele sentia muito calor, então pra ele deve ter sido um verdadeiro presente.


Enquanto o metrô seguia seu curso, eu fiquei analisando o quadro em minha frente. Se a menina reagiu daquele jeito, é porque nunca foi ensinada sobre a existência de crianças especiais e que não devemos ter medo de nos aproximarmos delas. A babá também mostrou-se ser uma pessoa leiga sobre o assunto pois em momento algum tentou aproximar a menina do garoto e nem mesmo ela tomou a iniciativa de se aproximar ensinando com o exemplo que a criança especial não deve ser temida. Desceram na próxima estação.


Mas o que mais me surpreendeu foi o carinho e a dedicação daquela mãe com o garoto, o sorriso dela era contagiante, o tempo todo a conversar com ele como se houvesse um diálogo entre os dois. O carinho era tanto que não tinha como a gente não se sentir tocado.


Comecei a refletir na vida, tantas mulheres que geram crianças sadias e as abandonam das mais diversas maneiras: enroladas em saco de lixo, jogadas em esgotos e em rios, deixadas em portas de prédios e etc., e essa mãe cuida do filho em tempo integral com a maior felicidade e amor. Aquela criança estava se dirigindo para AACD, com certeza a cada dia que se passa, pra sua mãe é uma vitória cada movimento novo que ele consegue fazer. Para a mãe seu filho é um herói, mas ela também é uma heroína, por ser mãe de uma criança especial.


E o que dizer de nós que nos lamentamos das coisas que temos que realizar porque nos fatigam? Basta olhar uma criança especial e vamos entender como nós somos mal agradecidos pela vida que temos.


Chegou a minha vez de descer. Saí daquele metrô com um misto de emoções, triste com a desinformação de alguns de como tratar uma criança especial, feliz por ver que ainda existe o amor incondicional de mãe e agradecida a Deus por ter tido a chance de presenciar aquela cena e ter meus movimentos perfeitos.
Angela Vauthier

5 comentários:

Gersonita Paula disse...

Querida Angela, voltar aqui sempre me dá uma nostalgia gostosa. Voltar aqui e ver este teu Blog mais belo e falando de forma mais profunda sobre o outro, me enternece, porque vem isso provar o ser humano sensível que és... Tu me motivas. Tua vida me chama pra fora de mim mesma. Tu me lembras de mim. Tu me sacodes... mas estou cansada, exausta e só. Obrigada por teu olhar tão terno. Por tua sensibilidade...e acho que encontraste o caminho para este lugar: aquilo que mastigas, percebes e te toca ao longo do caminho... Poeta das belas palavras, das manhãs mornas e cheias de esperança. Poeta dos púlpitos, cátedras, salas...Poeta das conduções que levam sem elevar a alma humana...Mas tu fizeste isto neste espaço. Elevaste a alma de uma mulher-mãe, e mostraste sem anestesia ou máscara a verdadeira identidade de parte de nosso povo...Aqueles que apenas veem, e não enxergam! Um beijo em teu coração. Estou muito orgulhosa de você...

Angela Vauthier disse...

Nita, sempre te admirei por teu amor pela Obra, por tua arte, tua sensibilidade e confesso que este teu comentário a meu respeito me deixou sem palavras, me surpreendeu.
Grata por seu carinho e saiba que o orgulho é recíproco.
Beijos!

Anônimo disse...

Olá Angela,
Gostei muito da forma que você abordou uma cena cotidiana, mas que muitos preferem ignorar. Algumas vezes porque não se sensibilizam com o que estão vendo, outras vezes porque se sensibilizam, mas preferem fugir e se esconder no seu "pequeno universo pessoal", onde cenas como a que você presenciou não são "vistas" que dirá analisadas!
Lembro que, quando decidi mudar a minha filha mais velha para uma escola "alternativa", em que crianças com necessidades especiais estudam e convivem com as outras crianças, fui duramente criticada e "alertada" do "perigo" que a minha filha poderia está correndo! Que absurdo, fruto da ignorância, e de uma sociedade que não inclusiva e preconceituosa!
Sonho com um mundo em que as pessoas são apenas pessoas, gente, serem humanos, filhos de um mesmo Pai, que a todos ama e que a ninguém rejeita!
Parabéns pela sua matéria!
Registro, também, a minha tristeza por não ter mais recebido as suas mensagens no Orkut! Bom, mas isso é outra história...
Fica com Deus!

Nalva Mesquita

D.Costta Jr disse...

Ficou muito bom o novo modelo do blog de Tia Algel a sua altura rsrsrsr............


bjo tia!

Lenise disse...

Vau minha amiga!
Muito sensível e ao mesmo tempo realista seu texto. De fato para as crianças e as vezes mesmo para os adultos é difícil conviver com quem é diferente dos padrões que estamos costumados a ver, as chamadas pessoas especiais.
Suas palavras foram uma lição de vida e com certeza quando eu me deparar com uma pessoa especial, vou enxergar com outros olhos.
Um grande beijo e que Deus te abençõe sempre!